#20 – GIRO Kalamidade

Na edição 20 do GIRO Kalamidade reunimos os melhores lançamentos e novidades que recebemos durante todo o mês de setembro

Hoje chegamos à edição de número 20 do nosso querido GIRO Kalamidade, este nosso importante espaço que reservamos para levar vocês em um rolê pelas melhores novidades e lançamentos do Hip-Hop nacional que chegaram no nosso radar.

E para esta vigésima edição montamos um GIRO especial, reunindo os melhores lançamentos e novidades que recebemos durante todo o mês de setembro.

Neste GIRO “Melhores do Mês”, reunimos lançamentos e produções que exploram e destacam muito bem o trabalho de DJs e beatmakers, contando também com ótimos trabalhos audiovisuais. Além dos sons, temos também websérie, eventos e projetos de enorme importância para a valorização do conhecimento na cena nacional do Hip-Hop.

Os lançamentos de hoje trazem sonoridades que exploram gêneros como Drill, House, Groove, R&B, Soul, Trap, Boombap e muito mais. Então vem com a gente dar esse GIRO e pra conferir todas as novidades e lançamentos!

Grupo Sempre lança single “Novo Normal”

Sempre é o nome do grupo formado por DJ Faul, Dcazz, Pé Beat e Sadiki, jovens da Zona Leste e Norte de São Paulo. Apresentando uma nova fase, após o EP “Antigos Relacionamentos, Novas Vivências”, o grupo lançou o single “Novo Normal”, colocando em pauta assuntos urgentes e fazendo duras críticas a uma realidade de desrespeito com o povo que foi normalizada no Brasil.

Nas palavras dos artistas, o Hip-Hop tem o poder de trazer o senso de responsabilidade com a realidade, e o grupo considera isso muito importante para a sequência da cultura, principalmente dentro do cenário atual, em que o descaso e a fome gritam entre os becos e esquinas das cidades, e a polícia segue matando jovens negros a todo vapor, enquanto a cena musical segue cantando sobre carros e dinheiro.

Com um instrumental de Trap, produzido por Pé Beat, e rimado por ele mesmo, juntamente com Dcazz e Sadiki, e acompanhados pelos scratches e colagens do DJ Faul, o single foi lançado com um clipe, de autoria de Daniels Junior.

Assista o clipe de “Novo Normal”:

CL FEZ O BEAT reúne Godar, Maui e BAKKARI em “A luz”

Para o primeiro lançamento do selo POSTURA ent., dirigido pelo artista Maui, o produtor de Duque de Caxias (RJ) CL FEZ O BEAT juntou o melhor do Drill e do House, convocando um time de peso para trazer um som sobre esperança e determinação.

O produtor iniciou uma nova fase sonora, juntando os MCs Godar, Maui e BAKKARI, em um lançamento para te inspirar e fazer dançar ao mesmo tempo.

Os feats são dos menino que eu gosto. Trabalhar com eles foi tipo o quadrado mágico em 2006, só que todo mundo jogando com vontade.

CL FEZ O BEAT

O visual foi desenvolvido por Gustavo Henrique, e a campanha de divulgação por Yolanda Anchieta.

Decidi que este seria o primeiro lançamento do Selo porque é muito simbólico: é o trabalho de um produtor, beatmaker. Mostra que eles são a base do nosso trabalho de música urbana, e com uma letra que fala sobre um prenúncio de bons momentos que a gente espera que o selo traga.

Maui

Ouça “A luz”:

Projeto Hip Hop Digital visa profissionalizar artistas

Imagem: Divulgação

Idealizado por Lunna Rabetti, Cristina Souza e Cristina Dias, o projeto Hip Hop Digital, realizado no final de agosto, visa profissionalizar os artistas e trazer um olhar sobre a importância de compreender as etapas que envolvem a produção, criação de conteúdo para redes sociais, divulgação na imprensa e captação recursos.

O foco é ensinar a autogestão, ou seja, munir os artistas da cultura Hip-Hop de informações sobre o mercado para que estes possam gerir a sua própria carreira. Trata-se de um ciclo de quatro palestras onde mulheres da cultura Hip-Hop, e que atuam com o empreendedorismo, compartilham conhecimento sobre comunicação, redes sociais, captação de recursos e mídia kit.

A ideia principal do projeto é compartilhar saberes sobre questões básicas que permeiam a carreira dos artistas do Hip-Hop. Parece algo que todo mundo já sabe, mas a realidade é que muita gente ainda não possui nem o material de trabalho para negociar com as instituições. O Hip Hop Digital tem este propósito, trazer um olhar mais profissional e, principalmente, mostrar a importância do digital em nossos trabalhos.

Cristina Dias – Produtora Cultural.

Trabalhando temas como “Captação de Recursos Públicos”, “Comunicação e Relacionamento com mídias de Hip Hop”, “Auto gestão das redes sociais” e “Construindo um portfólio”, as palestras foram exibidas em espaços públicos, e os vídeos estão disponíveis no Facebook da Casa Hip Hop Centro 011, da Casa de Cultura Raul Seixas, e no YouTube do Centro Cultural São Paulo.

Kélanie, Juruna e Joabe lançam single “Fading”

Kélanie / Foto: Lucas Hirai

Propondo uma reflexão acerca de sentimentos pelo inconstante e invisível, “Fading”, o terceiro single da multiartista Kélanie, em colaboração com Juruna e Joabe.

Fading é, sem dúvida, a composição que mais fala sobre quem eu sou artisticamente. Ela retrata exatamente o local onde eu quero estar na música e me fixar, propondo uma união perfeita do R&B com Groove e Soul, com influência importante de artistas como Erykah Badu, Brandy, D’angelo e Lauryn Hill.

Kélanie

Em colaboração inédita, o single conta com a produção de Juruna e Joabe, artistas que Kélanie conheceu em 2018 e, desde então, se encontram semanalmente para jam sessions que frequentemente resultavam em composições freestyle, até surgir a ideia e o convite para lançar a colaboração.

Em seu videoclipe, “Fading” reforça a proposta de experimentação das sensações mais profundas pensadas pela artista, em uma criação inteiramente produzida em 3D, por Kélanie e Vinícius Moreira que, juntos, conseguiram tornar visível aos olhos, sensações muito íntimas.

Assista o clipe de “Fading”:

Bia Gouvêa lança “Corra” com produção de Cotty Bass

Bia Gouvêa / Foto: Bruno Sofia

Produzido por Cotty Bass, na Big Monster produções, Bia Gouvêa traz o lançamento “Corra”.

Neste single a rapper de Ribeirão Preto (SP) traz diversas referências, desde o rapper Rashid, citando o álbum “Hora de Acordar”, até referências femininas como Vanessa da Mata, e claro, uma referência clássica aos Racionais MCs.

Carregada de ironia e críticas, Bia Gouvêa traz problemáticas como o abuso de poder policial, rappers que não praticam o que cantam, o respeito pelas minas, críticas raciais e políticas.

O termo “Corra” foi escolhido tanto como referência ao filme de Jordan Peele, como para incentivar os colegas MCs pra fazerem seus corres atrás dos seus objetivos.

O clipe foi realizado de forma independente, com vídeos gravados de forma caseira por Bruno Sofia.

Assista o clipe de “Corra”:

Produtor Jeff DS lança single “Caçando Planetas”

Jeff DS / Foto: DarkStreet Records

“Caçando Planetas” é o single de estreia do produtor, multi-instrumentista e criador do selo DarkStreet Records, Jeff DS que agora entra na cena como MC e compositor.

Com isso surge a ideia de alcançar novos e maiores desafios fora do planeta Terra, em uma jornada de autoafirmação e de descobertas.

Com a produção completa feita pelo próprio artista, a música traz uma atmosfera divertida com um beat de Trap que foge do padrão e investe em sincronizar essa proposta com um refrão que começa e finaliza a canção.

As principais referências visuais remetem à estética espacial e futurista, com a exploração de tons em neon, um visual de planetas diferentes dos que conhecemos no sistema solar, mas a identidade do artista é mantida especialmente com a presença de um veículo lowrider como sua nave espacial.

Ouça “Caçando Planetas”:

Suntizil e Brisa Flow apresentam single “Vermelho Sangue”

Suntizil e Brisa Flow / Foto: Ian Wapichana

Suntizil e Brisa Flow cantam sobre ancestralidade preta e indígena no single “Vermelho Sangue”.

A colaboração, que surgiu através de uma enquete feita por Brisa no Instagram para conhecer novos artistas independentes brasileiros, se transformou na primeira colaboração entre os dois.

A gente já tinha o contato um do outro e acabei mandando a acapella de ‘Vermelho Sangue’ no Whatsapp dela. A Brisa me perguntou se o material já havia sido lançado, eu respondi que não, e logo ela pediu o feat. Fiquei felizão e muito honrado. O atual governo e a situação do Brasil fez com que a gente escolhesse esse momento para lançar ela juntos.

Suntizil

O single é lançado no momento em que a pauta do marco temporal é colocada em discussão, e que a luta pela demarcação de terras indígenas se coloca como uma demanda urgente.

A gente tá falando de povos originários africanos, povos originários daqui, como ambos passaram por situações de saqueamento, roubo, estupro, suicídio, assassinatos, genocídio. E de como essa prática, constante, também acaba nos empobrecendo.

Brisa Flow

Para Brisa Flow, acreditar no poder da arte como ferramenta de prática educativa “é ser anticolonial na prática”.

A arte tem feito o papel que as aulas de história e línguas não fazem. Poder somar nesse trabalho foi uma satisfação porque eu acredito na união dos povos, principalmente dos povos que estão sendo massacrados.

Brisa Flow

Sobre o videoclipe, Suntizil contextualiza:

A espada de Santa Bárbara e o colete à prova de balas são usados como elementos de proteção. Já o colar de pérolas e o tapete surgem como elementos de luxo, fazendo uma conexão entre o desejo e desafios de ser financeiramente bem sucedido, e o saber de que todos os lugares são a casa dos povos originários e afro diaspóricos. Isso é sobre retomada. Vestimos branco em respeito aos que se foram e preto e vermelho em protesto aos que se foram. ‘Vermelho Sangue’ é também uma reflexão: como vencemos, se os nossos ainda estão morrendo?

Assista o clipe de “Vermelho Sangue”:

Ingrid Martins lança “Rajada de Fé” produzida por Rasec

Ingrid Martins / Foto: Fredo Peixoto

Com produção de Rasec, “Rajada de Fé” é o quarto trabalho musical de Ingrid Martins, um single que conta também com um videoclipe gravado na favela do Jd. Antártica (SP), lugar onde a artista cresceu e foi criada.

Foi este lugar também que desenvolveu Ingrid como artista, que lhe apresentou o Rap, mas que também lhe apresentou o primeiro barulho de tiro, o primeiro contato com a morte e a percepção que o mundo era mais difícil para as pessoas que vinham dali.

Com isso, este trabalho se torna uma oração, um pedido de socorro e um desabafo. Nas palavras da artista:

É uma oração à Deus para que nos proteja das rajadas que atravessam janelas, paredes e corpos que são alvos de uma sociedade racista e genocida. ‘Rajada de Fé’ é um canto para que esses corpos não sejam silenciados.

Ingrid Martins

O videoclipe foi captado por Fredo e editado por Laura MC, contando com diversas participações de amigos e moradores do Jd. Antártica, e também com a tradução em Libras feita pela intérprete Nzambia, fazendo com que esta arte percorra por lugares que muitas vezes são esquecidos pela indústria da música.

Assista o clipe de “Rajada de Fé”:

“Gardênias” une Rei Lacoste, Giovani Cidreira e Piu Knup em produção de 2KIKE

Rei Lacoste / Foto: Milena Abreu

Em single com produção de 2KIKE, o artista baiano Rei Lacoste promoveu uma conexão entre Salvador e Guadalajara no clipe “Gardênias”, com as participações de Giovani Cidreira (GIO) e da mexicana Piu Knup.

Com tonalidade baseada numa espécie de surrealismo tropical, o clipe segue a lógica da faixa e abre a interpretação para liberdade, o amor e uma vivência com interseção cultural.

A filmagem na orla, com ambientação típica do litoral de Salvador e, ao mesmo tempo, a diferença entre as cidades, a divisão de dois canais na tela e as imagens em câmera lenta, chamam atenção para a presença de vários signos que permitem esse discurso livre.

Rei Lacoste

Assim como no single, que é regido pelo Trap, mas contém versos fortes em espanhol e até uma citação clássica do cantor Djavan, a produção audiovisual expressa diversas referências artísticas. Para GIO, ter participado do projeto trouxe um olhar de experimentação.

Não me interessa nada que não traga alguma novidade visual e eu acho que as produções de Rei Lacoste trazem uma estranheza, mas a gente consegue entender as referências, passear pelo o que está rolando de forma própria e única. E nós somos isso, até por ser de Salvador, sem muita estrutura, a gente acaba indo além na imaginação.

GIO

O clipe representa novas experiências, coexistências, uma forma de reconstruir e se apropriar de símbolos, espaços e representações sem ser fiel ao óbvio. Para traduzir essa linguagem, a produção contou também com a direção de fotografia de Milena Abreu e Brandon Ponce, e color grading por Maysa Zucheratto.

Assista o clipe de “Gardênias”:

Ashira e Iuri Rio Branco lançam single “Pouco em pouco”

Com produção de Iuri Rio Branco, Ashira lançou o single “Pouco em pouco”, abordando reflexões de sua trajetória pessoal e artística, e como elas se interligam.

Com mix e master por Ramiro Mart, o single traz um ritmo marcante com o Boombap, que carrega uma mensagem expressiva sobre conquistas e reviravoltas, acompanhada por um videoclipe de Beatriz Shibuya, que sintetiza o mundo interno de Ashira e suas versões em imagens.

Representando o Brilho, o Equilíbrio e a Força em suas versões, Ashira reuniu neste lançamento os aprendizados de sua trajetória até aqui, que de pouco em pouco permitiram o seu crescimento profissional e artístico, em uma caminhada pavimentada de grandes trabalhos.

Assista o clipe de “Pouco em pouco”:

N.I.N.A. e LUCA lançam “Irreal” com produção de Terra

N.I.N.A e LUCA / Foto: @murdoc.murdoc

Transitando entre melodias e rimas, “IRREAL” é a nova música de N.I.N.A. Com participação de LUCA e produção musical de TERRA, a MC vem no R&B mostrando versatilidade e surpreendendo mais uma vez com sua voz.

Em um clipe dirigido por Yuri Lages com produção executiva de Yvie Oliveira, os intérpretes cantam sobre a sensação de estar apaixonados em uma continuação do single de LUCA, “Surreal”.

Assista o clipe de “Irreal”:

Saidnobeat reúne Markão, André Sagat e DJ Erick Jay em “Ego”

Em mais um single na sua carreira, o primeiro como produtor, Saidnobeat reuniu nomes consagrados da história do Rap brasileiro: Markão II, André Sagat e DJ Erick Jay, em “Ego”.

O beat é um clássico Boombap, no estilo dos anos 90, e acompanha as rimas de André Sagat e do membro do lendário grupo DMN, Markão II, além dos scratches e colagens do DJ Erick Jay, que encerram a música com chave de ouro.

“Ego” traz assuntos sociais atuais e muitos conflitos que toda quebrada vive, principalmente com relação ao comportamento de determinadas pessoas que deixam o próprio ego se sobressair acima de tudo.

Assista o clipe de “Ego”:

5 Sentidos: web série da Endorphins Lab é protagonizada por beatmakers

“5 Sentidos” é o nome da primeira web série da Endorphins Lab. Protagonizada por beatmakers, serão sete episódios onde os artistas traduzirão os sentidos do corpo através das batidas, que levam as imagens e juntas, cria-se uma atmosfera sinestésica no imaginário.

Mesmo que alguns dos 5 sentidos do corpo não estejam relacionados à música, a Endorphins Lab desafiou beatmakers a produzirem peças totalmente instrumentais que representem cada um deles: visão, olfato, paladar, audição e tato. Todas elas farão parte do projeto “5 Sentidos”, que também terá o complemento de duas bônus tracks para expressarem em sons o sexto sentido e ausência de sentidos.

Neste projeto, o papel do beatmaker corresponde ao de um roteirista, e as sete músicas são os episódios desta web série. A ordem é subvertida porque a trilha sonora vem antes do filme, servindo de guia para o desenvolvimento do visual. Ao final, todos serão reunidos em um curta-metragem.

Os responsáveis por guiar musicalmente esses sentidos são Deddjazz, Mayksoundsystem, Walla C, Janvi, Traumatopia, B no Beat, Xan e mais dois beatmakers, que vão ser revelados ao longo do projeto. Todos os participantes terão protagonismo no processo para mostrar suas várias facetas.

A ideia do projeto nasceu depois de uma conversa sobre essa cultura do single que existe nos dias de hoje, que reflete de certa forma uma ansiedade existente entre as pessoas de que tudo tem que ser consumido de uma forma rápida. Essa necessidade urgente, muito influenciada pelas redes sociais, causa um efeito também naquilo que os artistas criam. A gente resolveu quebrar esse conceito e ousar para falar dos 5 sentidos.

allb, produtor executivo da Endorphins.

O episódio de abertura expressa a visão sob a ótica musical determinada por Deddjazz. Apesar de serem produzidas por diferentes mãos, as músicas se complementam – principalmente nos audiovisuais. Com direção de arte do Pietro, as produções dos vídeos são assinadas por Vinícius Moscato, que é também responsável pelo sequenciamento das imagens, efeitos e finalização.

Infelizmente, o beatmaker/produtor ainda não é visto como artista, quando muito é visto como artista limitado, quando na realidade é extremamente plural e tem conhecimento de várias coisas. A Endorphins apenas está procurando colocá-los em outro patamar.

allb

Assista o primeiro episódio da websérie, “visão”:

“Uma breve história do amanhã” une Costa Alves, Celo Flow e Dr. Drumah

Capa: Policeno

Em “Uma breve história do amanhã”, quarto single de Costa Alves acompanhado de videoclipe, o artista apresenta visões que poderiam ser apenas coincidências com o contexto atual, mas não, são vários insights do que está acontecendo e do que ainda está por vir.

Acompanhado de Dr. Drumah produtor baiano que já produziu grandes nomes como Marcelo D2, o mestre das batidas ilustra o tema com uma vibe Jazz ritmada pela batida clássica do Boombap. Para fechar com grande estilo a faixa traz a participação de Celo Flow.

A atmosfera do clipe foi trazida pelo trabalho gráfico de Fernando Policeno. “Uma breve história do amanhã” traz o grito estridente aos que estão surdos em meio à polarização extrema, e à imensa cortina de fumaça lançada pela tecnologia e amplificada pelas redes sociais.

Assista o clipe de “Uma breve história do amanhã”:

Estação K: festival online do Fino da Zica vai reunir os 4 elementos do Hip-Hop

Estação K é o nome do Festival online com curadoria d’o Fino da Zica, que aponta para o futuro do Hip-Hop sem deixar de reverenciar o passado da expressão cultural que mais cresce no mundo.

No dia 14 de outubro, o Festival Estação K vai reunir na mesma casa os 4 elementos da cultura Hip-Hop numa celebração dessa expressão cultural vibrante que só cresce e que se torna ainda mais relevante diante desse Brasil devastado pela ignorância, pela truculência e pelo neofascismo.

O lineup é formado por expoentes de cada um desses 4 elementos – DJ, MC, Graffiti e Breaking. O DJ Erick Jay, os rappers Zudizilla e Edgar, os grafiteiros Kuêio e Enivo, a B-girl Toquinha e os B-boys Grilo, Lil Vethy e Luan San, artistas que se destacam pela originalidade e inventividade.

Contando com Mana Bella como mestre de cerimônias do Festival, o Estação K vai acontecer de forma gratuita, e com transmissão pelo Facebook e YouTube d’O Fino da Zica, Muda Cultural, Catraca Livre e também na Twitch da Família de Rua e da patrocinadora do projeto KANUI.

E essas foram as novidades e lançamentos da última quinzena.

Quer trazer o seu trampo para o GIRO Kalamidade? Envie um e-mail com um release sobre o seu trabalho para: contato.kalamidade@gmail.com. Nossa linha editorial foca naqueles que nem sempre brilham com o mic nas mãos, como DJs, produtores musicais e audiovisuais, beatmakers, designers, fotógrafos, etc.

Monte um material com as informações sobre o que você quer anunciar: quem você é, o que está lançando, quando, onde, como e por quê. Mande também fotos para divulgação! Quanto mais detalhes nossos editores tiverem, mais rico será o nosso conteúdo.

Até o próximo GIRO!

%d blogueiros gostam disto: