Aya Ibeji

Pega a Visão: conheça os sets enérgicos de Aya Ibeji

A DJ e produtora que busca energizar, curar, movimentar e agir através da música.

AfiliadoAcme Inc.

A primeira vez que tive a oportunidade de ver a Aya Ibeji tocar, foi no ano de 2020 na festa Mariwô, um movimento cultural que valoriza e visibiliza as produções negras e se preocupa com o empoderamento do negro a partir da conexão com a ancestralidade, conectando corpos e experiências através da música, dança, audiovisual, moda, artes visuais e tecnologia.

Em uma quarta-feira de Carnaval, um lindo fim de tarde de verão no RJ antes da quarentena, a festa contava com uma produção maravilhosa realizada pela AUR, e um line de peso com as DJs Glau Tavares e Ciana.

Jamais vou esquecer do choque que perpassou pelo meu corpo ao ter contato com a presença da Aya Ibeji. A maneira que ela comandava a pista de forma enérgica, contagiante, envolvente, fazendo impossível qualquer um ficar parado. Em menos de cinco minutos de set, a festa toda estava dançando.

Mariwô

Batida e movimento

Em entrevista para o Kalamidade, a artista cita como influências nomes como o grupo de House italiano Black Box, a cantora Robin S. e o DJ e produtor JAY R, buscando trazer para as pistas algumas sonoridades como o House, Vogue e o Funk, dentre demais batidas que causam a possibilidade de movimentação e energização.

Assim são os sets de Aya, repletos de batidas e músicas – como a própria artista denomina – “energizantes”.

Sinto que na música me achei, sinto que através da música consigo passar tudo que eu quero . Energizar, curar, movimentar, agir. Acredito que tudo que eu toco passa por essa minha energia antes de atingir as pessoas.

Aya Ibeji

Teodora Aya Ibeji

Teodora Aya Ibeji surge a partir de um momento de reflexão e descobrimento sobre processos da vida, sobre se entender enquanto travesti e sobre buscar o seu espaço enquanto artista. Em exclusividade para o Kalamidade a artista revela de onde surgiu a inspiração para o seu nome:

O nome Aya veio a mim “magicamente” durante um curso que participei, onde relacionei o nome da simbologia adinkra, com cabelo, e como já tinha feito uma pesquisa em relação ao nome e seu significado passei a adotá-lo. Já o nome Ibeji veio de um livro que eu estava lendo sobre cabeça, cabelos e orí, e que falava também sobre a escultura africana dos Ibeji, uma escultura relacionada às crianças e de forte significação em cultos e na mitologia iorubá, além de estarem ali representados os dois sexos. E Teodora era anteriormente meu último nome, algo muito especial para mim.

Os símbolos Adinkra, fazem parte da cultura Akan, que prevalece em países como Costa do Marfim, Togo e Gana.

A simbologia da Aya se refere à ideia de superação e perseverança. O símbolo é representado por uma imagem que lembra a samambaia. Por causa da sua condição de resistir a solos secos e falta de água, a planta é conhecida por sua capacidade de adaptação a condições adversas. É exatamente a este significado que Aya está associada: alguém que passou por grandes desafiou e venceu cada um deles. O símbolo também traz em si a ideia de coragem e ousadia, independente das circunstâncias.

Aya na pista

Com o processo de se entender, entender o poder da força travesti, o poder do seu nome e a se movimentar artisticamente, Aya Ibeji inicia sua caminhada dentro do mundo da música, e da arte.

Atualmente é uma das DJs que se destacam no Rio de Janeiro e no Brasil. Aya é residente dos coletivos Escola de Mistérios, TARANTULA, e Espelho X, com passagens por diversas festas no eixo RJ x SP.

A DJ também faz parte da Casa Imersiva Olhartransnegro, um projeto que apresenta a construção de ideias e produções artísticas, que prezem pelo fortalecimento de pessoas trans e negras, que em breve estaremos trazendo uma matéria completa aqui no Kalamidade.

A sonoridade de Aya Ibeji pode ser encontrada em excelentes DJ sets disponíveis no Soundcloud:

Dominando sets, produções e o mundo

Aya nos revela animação para 2021 com planos de finalmente voltar a tocar e expandir o seu trabalho enquanto DJ tanto aqui no Brasil quanto no exterior. Ela também planeja dar um foco na sua carreira enquanto produtora musical, expandindo as suas produções autorais e atingindo outros públicos.

Aya Ibeji

Nas palavras finais da entrevista, a artista nos deixa com uma mensagem e muita expectativa, de quem vem muita coisa boa por aí:

Dominar o mundo, é a dominação travesti.

%d blogueiros gostam disto: